(83) 8692-5991 / (11) 9.9906-0896 — [email protected]

Tá mais do que na hora de você conhecer Nahui Ollin, artista mexicana do século XX

Carmen Mondragón ou Nahui Ollin era de excepcional beleza e charme. Seus olhos verdes capturavam fotógrafos e pintores, mas nenhuma representação chega perto de como ela se via. 

Nahui Ollin nos permite entrar na história por outra porta. E nos permite entrar em um episódio definitivo na história do México pela porta da arte, pela porta das mulheres, pela porta da criatividade.

Carmen Mondragón nasceu em 1893, em Tacubaya, famoso bairro da Cidade do México. Ela era uma menina de uma família muito abastada. Saiu do México bem nova, em 1897, e desta fase até 1903 viveu em Paris, onde conheceu as artes visuais, a música, a literatura – acima de tudo.

Foi uma das primeiras mulheres que usavam minissaia no início do Século XX e por isso ela foi muito hostilizada, principalmente no México. Não só suas saias eram curtas, mas seus cabelos também, e isso deixava os conservadores maluquinhos.

Ela tinha costumes bem liberais, dançava foxtrote e usava vestidos de tubo com as panturrilhas de fora, sem espartilho. Ela também fumava em público e ia para festas sozinha, o que deixava os conservadores ainda mais malucos.

Com 20 anos, em 1913, Carmen Mondragón casa-se com o cadete Manuel Rodríguez Lozano, que era também artista plástico. Foi nessa fase que ela retornou a Paris, e junto com o seu marido, passa a frequentar um seleto grupo integrado por Pablo Picasso, Georges Braque, Henri Matisse e Diego Rivera.

Nesta fase ela teve um filho que acabou falecendo bem jovem, e há poucos relatos a respeito desta história. Também nesta fase ela acaba se separando de Manuel Rodríguez Lozano e se casando com o paisagista, Gerardo Murillo, também conhecido como Doctor Atl, que significa, Doutor Água.

É o Doctor Atl quem batiza Carmen Mondragón como Nahui Ollin, nome que designa o quarto-movimento, de onde surge o quinto sol na mitologia náuatle, uma representação cosmogônica encontrada em entalhes escultóricos e códices pré-colombianos de tlacuilos, que na cultura do México Antigo significa “Sábio, escritor, pintor”.

Muitos dizem que Carmen Mondragón ficou mais famosa pelos homens com quem teve relacionamentos do que pela própria obra, e isso é fruto da sociedade extremamente patriarcal da época, por isso, a partir de agora, depois de explicado o motivo de sua mudança de nome, vamos focar apenas em suas obras.

Carmen agora incorporada na personagem, Nahui Ollin, produziu uma espécie de manifesto anarquista, onde ela fala sobre quem ela é e com que passo deseja entrar no mundo. Seu estilo sempre se caracterizou por ser extremamente expressivo e livre. Ela preferiu a abstração ao realismo.

 

 

 

 

O que caracteriza o estilo de Nahui Olin?

Esta estética que sempre foi tida como ingênua, e todo o seu trabalho pictórico assenta numa teoria, numa teoria da cor e numa teoria do desenho. Suas obras também vêm da caricatura, ou seja, cheias de humor e sarcasmo.

Após os anos 20 ela desenvolveu todo o tipo de artes plásticas, além de publicar 5 livros, sendo 4 de poesia. Abaixo mostraremos fotos dos projetos originais dos livros (antes da versão publicada oficialmente pela editora) feitos a mão por ela.

– Óptica cerebral, poemas dinâmicos (1922). (poesia)

– Câlinement je suis dedans (1923). (poesia)

– À escola de ensino médio (1924). (poesia)

– Nahui Olin (1927). (poesia)

– energia cósmica (1937). (ensaio)

*

Muy

                                    negro

y sobre todo

la

noche

es       

mi

gato

negro

que

tiene

para

ver

dos

piedras

preciosas

que

destellan

una

luz

sobre

el

negro

*

y

                                               ellos

                                                                se atormentan

                                               con

                                               razón

                                               haciendo

                                               los nuevos

                                               cuadros

                                               cuando

                                               poso

                                               y

                                               aporto

                                                                siempre

                                               una           nueva

                                               cosa

                                               que

                                               es

                                               mi

                                               espíritu

                                               extendido

                                               en

                                               mi

                                               cuerpo

                                               saliendo

                                               por

                                               mis

                                               ojos

                                               para

                                                posar

                                               ante

                                               los

                                               Caballeros

                                               que

                                               hacen

                                                            siempre

                                               conmigo

                                                           los cuadros

                                                                   Nuevos

*

Para mis grandes

              affaires

              tengo un carnet

              donde pongo

              los nombres

             Y luego hielo

              y rojo

              para mis labios

 

              Pongo

             un revólver

             cargado

             de balas

             que den

             muerte

             a los asesinos

             que roban

             el corazón

*

He cortado

                                                   mis cabellos

                                                   largos

                                                       y rubios

                                                         como eran,

                                                    los he cortado

                                                      para amar

                                                        para dar

                                                    un

                                                 poco

                                               de oro

                                                de

                                                    mi

                                                     cuerpo

                                                   al

                                                  SOL

 

Além de pintar e fazer poemas sublimes, ela foi a primeira mulher mexicana a fazer ensaios fotográficos nus, que foram muito aplaudidos.

 

Nahui Olin – Eclipse e solstício – Revista Inteligência

 

 

8 melhor ideia de Nahui Olin | fotos, fotografia dramática, erotismo

 

A partir dos anos 30 dedicou-se total e completamente a dar aulas para continuar com o seu método de desenho para o ensinar na escola primária. Nesta fase ela também emprestou os seus quadros para muitas exposições.

“A louca perfeita, meu próprio corpo, meu corpo nu, minha própria beleza, minha maneira de me expressar, de dizer ‘sou mulher'” eram as palavras da professora de pintura, modelo e poetisa mexicana María del Carmen Mondragón . Ela era uma mulher muito liberal para a sua época e muito inteligente para a sua idade. Ela questionou todas as convenções sociais. Se interessou pelo feminismo, fundou uma Liga feminista contra as drogas, que queria erradicar todos os vícios que impediriam o progresso do país.

Ela era uma feminista no seu melhor e procurava pessoas que compartilhassem desse sentimento. Depois que seu último parceiro morreu, ela se aposentou da vida pública e começou a se empenhar mais na escrita do que na pintura.

Infelizmente, nos seus últimos anos, ela andou pelas ruas do centro histórico da Cidade do México. Ficava dias sem tomar banho e falava sozinha. Faleceu em 23/01/1978,  deixou 3 cães e 8 gatos em sua mansão localizada em Tacubaya.

Sua morte não teve grandes cerimônias ou anúncios.

Obras publicadas

 

Autobiografía: A dix ans sur mon pupitre, Cvltvra, 1924. || Nahui Olin, Impr. Mundial, 1927. || “Incomprise/Incomprendida y otros apuntes”, incluída em “Gentes profanas en el convento” de Gerardo Murillo, Botas, 1951.

Carta: “Uma historia de amor”, incluída em “Gentes profanas en el convento” de Gerardo Murillo, Botas, 1951.

Ensaio: Energía cósmica, Botas, 1937.

Poesia: Óptica cerebral, Editorial México Moderno, 1922. || Calinement je suis dedans, Librería Guillot, 1923. || “J’ai une grande bourse”, “Quelquefois”, “Paris”, incluidas en Gentes profanas en el convento de Gerardo Murillo, Botas, 1951.

Obra reunida: Nahui Olin, sin principio ni fin. Vida, obra y varia invención (compilación, notas y estudio por Patricia Rosas Lopátegui), Universidad Autónoma de Nuevo León, 2011.


Gostou deste conteúdo? Curta, comente e compartilhe – ajude-nos a quebrar as malfadadas muralhas da comunicação com a limitação do algoritmo. Precisamos de sua solidariedade para levar essa mensagem a mais gente.

Você pode conhecer nossos livros e adquiri-los nossa Loja e ajudar a fortalecer nossa editora, nosso blog e nossas propostas independentes. Chega junto!

Aproveita e segue também nosso perfil no Instagram.

Um grande beijo, bon voyage e até o próximo post!